Notícias >Retirada preventiva das mamas contra o câncer



A polêmica que envolve a retirada preventiva das mamas contra o câncer


A atriz americana Angelina Jolie anunciou, em um texto no jornal The New York Times, que se submeteu à retirada das mamas com a finalidade de evitar um tumor ali. A notícia causou alvoroço e as pessoas passaram a questionar a real necessidade de um procedimento tão radical.

Em primeiro lugar, vale reforçar que Angelina perdeu a mãe para a mesma doença e realizou um teste genético para saber o seu risco. No caso, o exame apontou que ela tinha uma probabilidade de 87% de desenvolver o problema nas glândulas mamárias em algum momento da vida. Esse método consiste em pegar uma amostra de sangue e rastrear mutações em genes que, segundo estudos, elevam pra valer o risco de câncer, como o BRCA1, alterado em Angelina Jolie.

Segundo o mastologista João Carlos Sampaio Góes, diretor técnico-científico do Instituto Brasileiro de Controle do Câncer, além da questão genética, existem outros fatores que acusam a maior possibilidade de ter a doença, como o estilo de vida e o histórico do paciente e a presença de casos de câncer na família. Por isso, cogitar a retirada das mamas requer que se avalie cada caso em particular, bem como as condições de saúde da mulher. A cirurgia profilática é indicada apenas a pacientes de alto risco confirmado.

"Na verdade, Angelina nem se submeteu a uma mastectomia, que consiste na retirada total dos seios, mas a uma adenectomia, ou seja, a remoção das glândulas mamárias", esclarece Góes. Depois disso, já se costuma reconstruir a região, em uma cirurgia plástica, com enxertos e uma prótese de silicone. "Todo esse procedimento reduz o risco de câncer ali em até 95%, o que, de fato, é mais eficaz do que qualquer outro método, além de ter um efeito permanente", explica o médico.

O mastologista Henrique Pasqualette ressalta, no entanto, que a retirada não anula por completo a probabilidade de um tumor aparecer. No caso de Angelina, o risco caiu de 87% (apontado no seu teste genético) para 5%. Daí que é necessário continuar o acompanhamento médico. Como nem todas as mulheres terão essa alteração genética que faz a doença se manifestar mais cedo, às vezes na casa dos 30 anos, nem vão realizar os testes de DNA que a deduram, cabe lembrarmos das estratégias mais amplas de detecção precoce do câncer de mama.

- Prevenção sem cortes

De modo geral, as recomendações para flagrar o quanto antes um câncer de mama, algo fundamental para vencer a doença — quanto mais cedo o problema for descoberto e começar o tratamento, maior a chance de cura — envolvem a realização do autoexame e da mamografia a partir dos 40 anos de idade. O exame tem de ser feito anualmente. Caso a mulher possua histórico familiar da doença, a inspeção deve começar mais cedo e se repetir a cada seis meses.

Quando é confirmado um alto risco e a mulher não quer, sob hipótese nenhuma, passar por uma cirurgia para remover as mamas, uma opção é apelar para o que os especialistas chamam de quimioprevenção. "Administramos substâncias que funcionam como anti-hormônios e evitam estímulos naturais para a multiplicação de células cancerosas", explica Góes. A eficácia dessa estratégia gira em torno de 20 a 50%, mas ela dispara alguns efeitos adversos.

Fonte: Saúde Abril


x

Login

Login exclusivo para clientes da Dra. Luciana Spina.

Solicite sua senha na consulta e acesse conteúdos exclusivos para aprimorar seu acompanhamento médico.

Login
Senha

x

Norma: RESOLUÇÃO
Órgão: Conselho Federal de Medicina
Número: 1.931
Data Emissão: 17-09-2009
Ementa: Aprova o Código de Ética Médica.

alt : cod_etica.pdf

x

Norma: RESOLUÇÃO
Órgão: Conselho Federal de Medicina
Número: 1.931
Data Emissão: 17-09-2009
Ementa: Aprova o Código de Ética Médica.

alt : 87.pdf

x

Termos de Uso

O web site www.lucianaspina.com.br é um serviço online de informações e comunicação prestado pela Dra. Luciana Diniz Carneiro Spina. Ao utilizá-lo você expressa automaticamente seu consentimento em acatar os termos e condições previstos. Em caso de não-concordância com estes termos e condições, não utilize este web site, nem copie informações aqui contidas.

Conteúdo do Site


Todo o material incluído neste web site é publicado exclusivamente para fins informativos.


Uso do Site


A Dra. Luciana Diniz Carneiro Spina autoriza-o a utilizar este site somente para uso pessoal, não comercial. O conteúdo das páginas deste web site não pode ser copiado, modificado, reproduzido, transferido, publicado ou distribuído de qualquer forma, para uso público ou comercial sem a autorização prévia e por escrito da Dra. Luciana Diniz Carneiro Spina.
A Dra. Luciana Diniz Carneiro Spina autoriza-o a armazenar em seu computador ou imprimir cópias destas páginas, desde que exclusivamente para o seu uso pessoal. Nas situações de transferência de informações aqui contidas deverão ser respeitadas as diretrizes referentes a direitos autorais.


Resposta via E-mail


A resposta via e-mail tem apenas caráter informativo e não substitui a orientação profissional apropriada em relação a fatos e circunstâncias específicas.
As considerações feitas em torno das doenças são genericamente aplicáveis às enfermidades e situações citadas, não podendo ser utilizadas como critério terapêutico/diagnóstico sem a avaliação clínica.


Marcas e Logotipo


As marcas e os logotipos exibidos neste web site são de titularidade exclusiva da Dra. Luciana Diniz Carneiro Spina e não podem ser utilizados em quaisquer lugares, incluindo outros web sites, sem a autorização expressa por escrito da Dra. Luciana Diniz Carneiro Spina.


Lei Aplicável e Foro


No caso de controvérsias relativas a estes termos e condições será exclusivamente competente o Foro da Cidade de Rio de Janeiro, Brasil, sob as normas da Legislação Brasileira em vigor.
Esse site foi desenvolvido de acordo com os Princípios Éticos para Sites de Medicina e Saúde e Normas do Código de Ética Médica.

x

Login

Login
Senha